Phishing

Tendências da Cibersegurança no mercado financeiro em 2024

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) lançou a terceira edição da campanha “Pare e Pense: Pode ser Golpe”, uma iniciativa crucial para conscientizar os clientes bancários sobre os riscos crescentes de ataques cibernéticos. Em um mundo onde a tecnologia avança, as organizações financeiras enfrentam desafios cada vez mais complexos em relação à segurança digital. Este artigo explora as tendências e desafios da cibersegurança no mercado financeiro em 2024, destacando a importância de medidas proativas para combater ameaças como phishing e ransomware.

O Crescente Perigo dos Ataques de Phishing: Um Jogo de Confiança Arriscado

O Crescente Perigo dos Ataques de Phishing: Um Jogo de Confiança Arriscado

O phishing, uma tática empregada por cibercriminosos, representa uma ameaça que explora a confiança dos usuários para obter informações úteis. Com características enganosas e camufladas, o phishing tornou-se uma arma perigosa nas mãos dos hackers.

 

O phishing busca iludir os usuários, levando-os a revelar informações privadas, como senhas, números de cartões de crédito ou dados pessoais. Suas características incluem:

E-mails ou Mensagens Falsas: Os hackers frequentemente criam e-mails ou mensagens que se assemelham a comunicações legítimas de instituições confiáveis, como bancos, empresas ou serviços online. A similaridade visual e textual busca enganar os usuários, induzindo-os a acreditar na comunicação.

 

Urgência e Ameaças Falsas: O phishing muitas vezes explora o senso de urgência, ameaçando os usuários com suspensão de contas, bloqueio de acesso ou outras consequências imediatas caso não ajam rapidamente. Essa pressão psicológica é projetada para impedir uma análise cuidadosa e promover a ação impulsiva.

 

Links e páginas falsas: Os hackers frequentemente inserem links para páginas falsas que imitam sites legítimos. Ao clicar nestes links, os usuários são redirecionados para páginas fraudulentas que capturam informações inseridas, sem que eles percebam.

 

Falsificação de identidade: O phishing muitas vezes envolve o uso de técnicas de spoofing, onde os hackers falsificam a identidade do remetente para parecer que a mensagem é de uma fonte confiável. Isso inclui o uso de logotipos, nomes de domínio e informações que se assemelham às legítimas.

 

Explorando a Confiança dos Usuários: O sucesso do phishing reside na exploração da confiança que os usuários depositam nas comunicações online. Os hackers jogam com a ideia de familiaridade e autoridade para induzir as vítimas a compartilhar informações relevantes. Ao se passarem por entidades confiáveis, os criminosos procuram criar uma ilusão de segurança, o que torna os usuários mais propensos a seguir as instruções específicas.

 

 A Necessidade de Conscientização Contínua e Educação: 

Diante do crescente perigo de phishing, a conscientização contínua e a educação tornam-se ferramentas cruciais na defesa contra esse tipo de ataque. É importante que os usuários tenham conhecimento das táticas dos hackers e saibam como identificar sinais de phishing, como:

  • Verificação do Remetente: Sempre verifique as ameaças dos remetentes, especialmente em e-mails ou mensagens que solicitem informações pessoais.
  • Atenção aos detalhes: Observe atentamente a gramática, o estilo de escrita e possíveis erros, pois muitos ataques de phishing apresentam linguagem envolvente.
  • Verificação de URLs: Antes de clicar em qualquer link, verifique a legitimidade da URL, especialmente se a mensagem indicar urgência ou ameaças.
  • Treino regular: Instituições e empresas oferecem treinamento regular aos seus colaboradores, ensinando-os a considerar e relatar tentativas de phishing.
 
 

A conscientização contínua e educação são os alicerces para fortalecer a resistência contra o phishing. Ao capacitar os usuários a identificar e evitar esses ataques, podemos construir uma barreira eficaz contra o perigo crescente dessas armas cibernéticas.

O Pesadelo do Ransomware: Uma Ameaça Grande ao Setor Financeiro

O ransomware, uma forma de ataque cibernético que se tornou um verdadeiro pesadelo para o setor financeiro, representa uma ameaça que pode paralisar operações e comprometer dados sensíveis. Entender o funcionamento desse tipo de ataque é crucial para desenvolver estratégias de prevenção.

 

O ransomware é um tipo de malware projetado para criptografar os arquivos do sistema ou bloquear o acesso a eles. Uma vez que os arquivos estão criptografados, os hackers pedem um resgate, geralmente em criptomoedas, em troca da chave descritiva. Esse método torna o ransomware uma ameaça dupla, pois não apenas prejudica a integridade dos dados, mas também exige um pagamento para sua recuperação.

 

Os ataques de ransomware muitas vezes começam com a infecção de um sistema por meio de e-mails phishing, sites comprometidos ou até mesmo através de vulnerabilidades não corrigidas em software. Uma vez dentro da rede, o malware se espalha rapidamente, criptografando arquivos e exibindo a demanda de resgate.

 

Estratégias de Prevenção:

  • Backups Regulares: Implementar backups regulares é uma estratégia fundamental. Ao manter atualizados os dados em locais isolados, as instituições financeiras podem recuperar suas operações rapidamente em caso de ataque. É essencial garantir que os backups não sejam acessíveis à rede principal para evitar criptografia simultânea.
  • Atualizações de Segurança: Manter sistemas e softwares atualizados é crucial para mitigar vulnerabilidades que os hackers exploram. As atualizações de segurança fornecem correções para brechas de segurança protegidas, dificultando a entrada do ransomware.
  • Conscientização e Treinamento: Investir em programas de conscientização e treinamento para colaboradores é uma linha de defesa importante. Descobrir a identificação de e-mails phishing e promover boas práticas de cibersegurança pode reduzir significativamente o risco de infecção por ransomware.
  • Utilização de Soluções de Segurança Avançadas: Adotar soluções avançadas de segurança, como firewalls robustos e softwares antivírus atualizados, pode bloquear a entrada de ransomware. O monitoramento contínuo da rede é essencia

Inovações Necessárias: A Inteligência Artificial na Segurança Financeira

A rápida evolução da Inteligência Artificial (IA) tornou-se uma peça fundamental na batalha contra as ameaças cibernéticas. No contexto do mercado financeiro, onde a proteção de dados sensíveis é primordial, a adoção dessas inovações é mais do que uma opção: é uma necessidade urgente.

 

À medida que os hackers aprimoram suas táticas, a capacidade de detecção de ameaças deve evoluir na mesma velocidade. A Inteligência Artificial oferece não apenas uma resposta rápida, mas também uma abordagem proativa na identificação de padrões suspeitos e na prevenção de ataques antes mesmo que ocorram.

 

Por que as Instituições Financeiras Devem Adotar Essas Inovações

  • Resposta em Tempo Real: A IA permite a análise instantânea de grandes conjuntos de dados, identificando comportamentos suspeitos em tempo real. Essa capacidade de resposta rápida é essencial para conter ameaças antes que causem danos significativos.
  • Aprendizado Contínuo: Os algoritmos de IA aprendem com cada interação, ajustando-se automaticamente às novas formas de ataques. Isso é especialmente crucial, considerando a natureza das ameaças cibernéticas.
  • Identificação de Padrões Complexos: A IA é capaz de identificar padrões complexos e inter-relações em grandes volumes de dados, algo que seria praticamente impossível de ser realizado por métodos atuais. Isso permite uma detecção mais eficiente de atividades suspeitas.

Soluções Fortinet e a Abordagem da Infoprotect

No cenário atual, as soluções Fortinet despontam como uma linha de defesa robusta contra ataques cibernéticos. Sua abordagem integrada oferece não apenas proteção contra phishing e ransomware, mas também uma resposta eficaz a ameaças em tempo real. É aqui que a Infoprotect entra em cena como fornecedora ideal dessas soluções. Nossa expertise e comprometimento com a segurança digital vão além de apenas fornecer as soluções, contamos com uma equipe de especialistas em segurança da informação 100% focados em garantir a conformidade dos seus dados.

 

Em um mercado financeiro que evolui mais a cada dia, investir em cibersegurança não é apenas uma escolha, mas uma necessidade. A responsabilidade recai não apenas sobre as instituições financeiras, mas também sobre os usuários, que devem adotar práticas seguras. A questão persiste: como podemos criar um ecossistema digital mais seguro? A resposta está na colaboração contínua, na adoção de tecnologias inovadoras e na vigilância constante contra possíveis ameaças. A mudança começa agora, e a Infoprotect está aqui para liderar essa jornada rumo a um futuro mais seguro.



fonte: https://www.securityreport.com.br/analise-destaca-tendencias-da-ciberseguranca-no-mercado-fianceiro-em-2024/

Os Maiores Riscos da Cibersegurança

A cibersegurança é uma das questões mais críticas da era digital. Com a crescente dependência da tecnologia e da internet, a proteção de nossos dados e sistemas se tornou essencial. Neste contexto,  cybersecurity desempenha um papel vital, garantindo a integridade, confidencialidade e disponibilidade de informações, tanto de pessoas quanto de organizações. Além disso, empresas e organizações que investem no desenvolvimento de medidas de proteção podem conquistar prêmios de reconhecimento por suas práticas exemplares. No entanto, os riscos associados à falta de proteção adequada são cada vez mais graves, e em 2023, atingirão um nível crítico. Os malwares estão cada vez mais sofisticados, hackers estão mais ousados do que nunca e um simples deslize pode afundar toda uma jornada de anos de desenvolvimento. Hoje iremos abordar esse tema e  além de entender o porque é tão necessário investir em segurança da informação, vamos apresentar a Infoprotect, sua parceira ideal nessa caminhada digital.

Evolução dos Riscos ligados a Cibersegurança

Ao longo desse ano os ataques cibernéticos alcançaram um nível de sofisticação e devastação jamais visto. Um exemplo notável é o ransomware, que agora apresenta a capacidade de criptografar não apenas dados, mas sistemas inteiros, interrompendo transações e exigindo gastos astronômicos para sua liberação. Para se proteger contra essa ameaça, é importante adotar medidas proativas, como a implementação de sistemas de segurança de última geração, que incluem firewalls e sistemas de detecção de intrusões. Além disso, a criação de backups regulares dos dados é uma ação crucial, ele permite a restauração dos sistemas em caso de infecção por ransomware.

O phishing, por sua vez, evoluiu para se tornar uma ameaça altamente personalizada e desafiadora de ser detectada. Para se defender contra esse tipo de ataque, é fundamental educar os usuários sobre como identificar e-mails e sites fraudulentos. A implementação de programas de conscientização em cibersegurança e a verificação rigorosa da legitimidade de mensagens e links antes de clicar neles podem desempenhar um papel crucial na prevenção de ataques de phishing.

Quanto aos ataques de força bruta, nos quais os invasores tentam adivinhar senhas repetidamente, a proteção reside em criar senhas robustas e exclusivas. Elas são essenciais para impedir que os atacantes adivinhem com facilidade. Além disso, a autenticação em dois fatores (2FA) oferece uma camada adicional de segurança, tornando mais difícil para os invasores obterem acesso mesmo que a senha esteja comprometida.

A Importância da Educação sobre a Segurança das Informações

Em um mundo cada vez mais interligado, a educação digital emerge como uma barreira fundamental na defesa contra as ameaças cibernéticas. Indivíduos e funcionários que não possuem conhecimento adequado sobre práticas seguras na internet representam um elo frágil na cadeia de segurança digital. Portanto, investir em treinamento abrangente, que ensina desde a importância de manter segredos até a criação de senhas robustas e a identificação de ações arriscadas, torna-se não apenas essencial, mas também crítico.

 

Organizações que não subestimam a necessidade de educação em cibersegurança estão, inadvertidamente, expondo-se a riscos graves. O vazamento de dados sensíveis e as consequências financeiras são apenas algumas das ameaças que podem surgir quando a conscientização e a educação são negligenciadas. Portanto, a consciência, aliada ao conhecimento prático, é uma chave essencial para evitar que os funcionários se tornem alvos fáceis de ataques, protegendo assim os ativos digitais da organização.

As Precauções Necessárias para Proteger seus Dados

A proteção de dados requer uma abordagem proativa e meticulosa, dada a evolução constante das ameaças cibernéticas. Cada medida de segurança empregada desempenha um papel fundamental na defesa contra os riscos digitais que rondam nossos sistemas e informações.

 

A implementação de firewalls avançados é crucial, uma vez que essas barreiras de segurança funcionam como sentinelas virtuais. Eles examinam o tráfego de entrada e saída, bloqueando qualquer atividade suspeita ou não autorizada. Essa primeira linha de defesa é vital para evitar que invasores obtenham acesso não autorizado à rede ou aos sistemas, impedindo assim o comprometimento dos dados.

 

O monitoramento constante de redes e sistemas é a próxima camada de proteção. Isso envolve a vigilância ativa de atividades seguras ou padrões suspeitos, permitindo a detecção precoce de possíveis ameaças. Isso pode significar a diferença entre conter um ataque antes que ele cause danos significativos ou permitir que ele se desenvolva sem interrupções

 

Manter sistemas e software atualizados é igualmente crítico. Os hackers frequentemente exploram vulnerabilidades conhecidas para obter acesso. Atualizações e patches de segurança são projetados para corrigir essas brechas, fechando-as antes que sejam exploradas por invasores. Ignorar essas atualizações é o equivalente a deixar uma porta aberta para ameaça.

 

Ter maior zelo sob essas medidas é de suma importância, pois podem ser a diferença entre um ambiente digital seguro e uma violação de dados de consequências catastróficas. A proteção dos dados é uma responsabilidade compartilhada, e cada precaução tomada contribui para a construção de uma barreira mais sólida contra os riscos cibernéticos em constante evolução.

Infoprotect: Parceira Ideal para o Desafios Digitais

Com base nos desafios da cibersegurança expostos no texto, nós da Infoprotect estamos comprometidos em proteger nossos clientes contra as ameaças digitais que estão sempre em constante evolução. Nossa equipe de especialistas altamente treinados trabalha incansavelmente para desenvolver soluções personalizadas que atendam às necessidades exclusivas de sua organização.

Oferecemos firewalls de última geração, monitoramento 24 horas por dia, 7 dias por semana e programas abrangentes de treinamento em cibersegurança. Quando você escolhe a Infoprotect como sua parceira em cibersegurança, está tomando uma decisão inteligente para garantir a integridade e a confidencialidade de seus dados e sistemas.

Você está pronto para enfrentar os desafios da cibersegurança? A segurança de seus dados e sistemas está em suas mãos. Não espere ser a próxima vítima; tome medidas hoje para garantir um amanhã seguro. Como você pretende fortalecer a segurança de seus dados?

Novos Meios de Driblar o MFA Miram Credenciais Corporativas

cibersegurança é uma batalha constante entre defensores e invasores. À medida que as tecnologias avançam, novas ameaças surgem, e os ataques cibernéticos evoluem para invasões aos territórios protegidos. Recentemente, temos testemunhado a criação de novos meios de driblar a autenticação multifator (MFA), colocando em risco as valiosas credenciais corporativas. Neste artigo, exploraremos esses desafios crescentes e discutiremos medidas cruciais para proteger os ativos digitais das organizações.

O que é MFA e sua importância na segurança

O MFA, ou login multifator, é um mecanismo de segurança que exige que os usuários forneçam mais de uma forma de identificação antes de acessar sistemas ou dados sensíveis. A combinação de algo que você sabe (senha), algo que você tem (um dispositivo físico) e algo que você é (biometria) torna o MFA altamente eficaz para proteger informações de uma maneira mais eficaz. No entanto, os invasores estão encontrando maneiras engenhosas de contornar esse sistema, explorando vulnerabilidades humanas e técnicas.

Os novos métodos de evasão do MFA

As táticas empregadas pelos hackers para driblar o MFA têm se tornado mais avançadas e persuasivas. A engenharia social, por exemplo, envolve a terapia psicológica das vítimas para obter informações. Os ataques de phishing também são uma ameaça crescente, com e-mails e sites fraudulentos projetados para enganar os usuários e roubar suas credenciais. Além disso, há relatos de malwares projetados para interceptar os códigos de verificação enviados para dispositivos móveis, o que permite o acesso a contas protegidas pelo MFA.

O impacto dos ataques de evasão do MFA nas empresas

O cenário atual demonstra que os ataques de evasão do MFA causaram danos prolongados às organizações. O acesso não autorizado a dados corporativos sensíveis pode resultar em perda de informações, benefícios financeiros e danos à confiança da empresa. A necessidade de proteger-se contra essas ameaças é mais urgente do que nunca.

Medidas para fortalecer a segurança das credenciais corporativas

Diante dessa realidade, é fundamental que as empresas adotem medidas proativas para fortalecer a segurança das credenciais corporativas. A educação e conscientização dos funcionários são passos cruciais para evitar ataques de engenharia social e phishing. Além disso, a implementação de sistemas de autenticação adaptativa pode ajudar a detectar atividades suspeitas e verificações adicionais quando necessário. O monitoramento contínuo também é essencial para identificar ameaças em tempo real.

Importância de uma cultura de segurança

Além das medidas técnicas, é vital criar uma cultura de segurança cibernética dentro das organizações. Todos os colaboradores devem estar cientes da importância de proteger suas credenciais e serem responsáveis ​​por suas ações online. Uma abordagem colaborativa, em que cada indivíduo é parte ativa da defesa contra ataques, pode fazer uma diferença significativa na resistência da empresa contra as ameaças cibernéticas.

Colaboração entre setor público e privado

A cibersegurança é um desafio global que afeta empresas, governos e cidadãos. É crucial que haja uma colaboração mais estreita entre o setor público e privado para compartilhar informações sobre ameaças emergentes e melhores práticas de segurança. A troca de conhecimentos e recursos pode fortalecer significativamente a defesa cibernética em todos os níveis.

 

A evolução dos métodos de evasão do MFA representam uma ameaça real para as credenciais corporativas e, consequentemente, para a segurança das empresas. Diante disso, é essencial que as organizações adotem uma abordagem completa para proteger seus ativos digitais. Além de investir em tecnologias avançadas, a conscientização dos funcionários e a criação de uma cultura de segurança são pilares fundamentais. A colaboração entre o setor público e privado também desempenha um papel crucial na busca por soluções eficazes.

 

Diante dos desafios crescentes da segurança da informação, todos os dados da sua empresa estão seguros? Reflita sobre suas ações e sugira maneiras de promover a conscientização e proteção contra ameaças cibernéticas. Lembre-se de que a segurança digital é uma responsabilidade compartilhada, e cada um de nós desempenha um papel fundamental nessa luta contra os invasores virtuais. Conte com a INFOPROTECT para proteger os seus ativos e os ativos da sua empresa, entre em contato e descubra as melhores soluções do mercado e qual se adequa melhor a sua organização.

Avanço da inteligência artificial e escassez de profissionais coloca em risco a segurança das empresas 

Barack Obama já previa durante seu mandato como presidente dos Estados Unidos que a próxima guerra seria travada no mundo cibernético. Hoje, essa realidade é incontestável e transcende o âmbito corporativo, impactando diretamente a rotina e a vida das pessoas ao redor do globo. No entanto, a falta de cuidado e conhecimento em relação à segurança digital tem sido um fator determinante para o aumento de invasões e sequestros de dados. É fundamental adotar uma abordagem cultural e fomentar hábitos digitais seguros para enfrentar essa nova realidade. 

No ambiente de trabalho, a discussão sobre boas práticas de cibersegurança vai além da implementação de medidas básicas de segurança da informação. É essencial criar recomendações, políticas de segurança da informação, aplicar frameworks de segurança como nist, mitre e realizar projetos de compliance como LGPD e ISO 27001 ou ISO 27701. No entanto, conscientização e engajamento de todo o grupo e da sociedade como um todo são igualmente cruciais. 

Uma solução indispensável para a defesa cibernética das empresas é a formação de profissionais especializados em cybersegurança, conhecidos como consultores e especialistas em ciber segurança. Esses especialistas são responsáveis por proteger as empresas contra hackers mal-intencionados, que têm habilidades para criar táticas de roubo de dados e causar prejuízos financeiros e abusos. A demanda por esses profissionais é crescente, e é preciso investir em sua formação para suprir a escassez global de talentos na área. 

No Brasil e em todo o mundo, inúmeras empresas e até mesmo órgãos públicos têm sido alvo de ataques cibernéticos, destacando a urgência em fortalecer as defesas digitais. Segundo a Cybersecurity Ventures, os crimes cibernéticos devem causar prejuízos de cerca de US$ 8 trilhões em 2023, o que coloca o cibercrime como a terceira maior economia mundial. Projeções indicam um aumento de aproximadamente 15% nesses números até 2025. 

Entretanto, as empresas enfrentam dificuldades para contratar profissionais especializados. Estima-se que até o final deste ano serão abertas mais de 3,5 milhões de vagas na área de segurança cibernética, porém a escassez global de talentos chega a cerca de 4 milhões de profissionais, de acordo com o International Information System Security Certification Consortium (ISC)². O Brasil precisa formar aproximadamente 335 mil especialistas para atender à demanda proporcionalmente. Os salários atrativos e as oportunidades de crescimento na área atraem muitas pessoas, incentivando a busca por formação complementar, como pós-graduações em ciber segurança. 

Além disso, o uso de inteligência artificial (IA) tem se tornado cada vez mais relevante na área de cibersegurança. A IA auxilia na detecção de ameaças, análise de comportamento, proteção contra malware e phishing, e respostas rápidas a incidentes de segurança. Também contribui para o monitoramento contínuo de sistemas em busca de atividades suspeitas, fortalecendo a segurança das redes corporativas. 

Em países economicamente mais fracos, ainda há muito a ser feito. O futuro da cibersegurança depende da capacidade dos governos, empresas e organizações de se adaptarem e investirem em soluções avançadas e efetivas, além de promoverem campanhas de conscientização sobre a importância da formação de novos talentos nessa área. Políticas e leis eficazes também são necessárias para lidar com as ameaças cibernéticas, complementando a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) em vigor desde setembro de 2020. 

A ciber segurança é um desafio crucial na era digital, com implicações enormes para empresas e pessoas ao redor do globo. É hora de investir na formação de especialistas em cybersegurança, criar uma cultura de segurança digital e aproveitar tecnologias avançadas, como a inteligência artificial. Essas estratégias são essenciais para proteger nossos dados e privacidade num mundo hiper conectado. Só assim vamos encarar de frente os desafios atuais e futuros da cybersegurança, e manter a integridade do nosso universo digital, que está sempre em constante transformação. 

Scroll to Top